quarta-feira, 15 de abril de 2015

Benchmarking Brasil – Inteligência coletiva em sustentabilidade

Bench_tags_inteligencia  
Benchmarking Brasil dá legitimidade ao discurso da sustentabilidade

Benchmarking é uma ferramenta de gestão que promove a melhoria contínua por meio do compartilhamento das melhores práticas. 

Baseada nesta ferramenta que é colaborativa e tem como premissa, o compartilhamento das melhores práticas que surgiu o programa Benchmarking Brasil. Em 12 edições já realizadas, Benchmarking Brasil já certificou 311 práticas  de sustentabilidade pertencentes a 172 organizações. 

Por isto, o Programa se tornou a memória vida da sustentabilidade corporativa registrando a trajetória das boas práticas socioambientais das organizações brasileiras da ultima década. O Programa oferece um ambiente amigável para pesquisadores, jornalistas, ativistas, especialistas acessarem este rico acervo construído pelas empresas Benchmarking ao longo de mais de uma década. 

Excelência, Coerência e Transparência em sustentabilidade  

O Programa é feito sob medida para organizações que tenham excelência, coerência e transparência em práticas de sustentabilidade. É um  canal de comunicação específico para o diálogo da organização com públicos especializados e formadores de opinião. Permite que as organizações não apenas divulguem seus indicadores socioambientais, mas também, como se chegou a eles.  

É um processo colaborativo do qual participam apenas os que realmente se sustentam quando o assunto é "boas práticas". São organizações com segurança e proatividade para contribuir com o processo de construção da inteligência coletiva em sustentabilidade, afirma Marilena Lavorato idealizadora do Programa Benchmarking Brasil. 

Faz coro com  Marilena, especialistas respeitados da área como por exemplo Izak Kruglianskas que é Coordenador do PROGESA – Programa de Gestão Estratégica Socioambiental – FIA/USP e também integra a comissão técnica 2015 do Programa. Ele diz: O  Brasil é um dos países que detém o maior capital natural, e isto nos dá uma grande oportunidade de tornarmos líder na nova economia de baixo carbono e de consumo responsável. Parabéns ao Programa Benchmarking e a todos que acreditam e contribuem para essa possibilidade. A sustentabilidade não é uma meta fixa a ser atingida. 

É um processo contínuo de busca e de mudança que deve ser adaptado a cada momento, em função da evolução da nossa sociedade. O Programa Benchmarking Brasil é uma ferramenta motivadora para o engajamento das empresas neste processo, diz Guy Ladvocat da Gerencia de Certificação da Associação Brasileira de Normas Técnica – ABNT e também integrante da comissão técnica 2015. 

Infelizmente, poucos estão realmente cientes da gravidade da crise socioambiental que enfrentamos. A atual crise hídrica é uma ótima oportunidade para que esse quadro se altere. Bons exemplos empresariais são fundamentais para envolvermos mais atores nessa lide. Nesse sentido o Programa Benchmarking Brasil presta um ótimo serviço para a sociedade brasileira, afirma Aron Zylberman Membro da Comissão de Estudos de Sustentabilidade para as Empresas – CESE do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC 

louroverde2015_pSobre o programa Benchmarking Brasil:   

 Em 12 edições já realizadas, o Programa Benchmarking Brasil se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com uma metodologia estruturada, reconhecida pela ABNT,  e participação de especialistas de vários países, o Ranking Benchmarking define e reconhece os detentores das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil. O programa, além do Ranking congrega outras ações de fomento a sustentabilidade como publicações, banco digital de livre acesso, encontros técnicos, feiras e congressos, entre outros. 

Além de incentivar a busca da melhoria contínua e a adoção das boas práticas nas organizações, o Programa Benchmarking Brasil contribuiu ao longo destes 12 anos de forma efetiva com a construção de massa crítica em sustentabilidade no país. Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1º colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara de Comércio Brasil Alemanha. Empresas e gestores com boas práticas socioambientais podem inscrever seus cases até 17 de abril. Inscrições, clique AQUI 

 São Paulo, 15 de abril de 2015 
 Assessoria de Imprensa 
benchmarkingbrasil.com.br 
(11) 3257-9660/  3729-9005

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Para ser Legítimo tem que ser Benchmarking

Para quem quer ser Benchmarking em boas práticas de sustentabilidade, o prazo encerra esta semana

Bench_inspira_verde
Ser Benchmarking é ter comprovado a excelência, coerência e transparência em suas boas práticas de sustentabilidade

Empresas e gestores com boas práticas terão até 17/04 para o envio de suas práticas (cases) socioambientais que concorrem a certificação Benchmarking 2015 dos detentores das melhores práticas.  Este ano, serão 16 especialistas e lideranças da sustentabilidade de 6 diferentes países que pontuarão e definirão o score dos cases inscritos. Apenas os que obtiverem índice técnico (pontuação igual ou superior a 7.1) é que serão Benchmarking, e a empresa e seus gestores reconhecidos como detentores das melhores práticas de sustentabilidade de 2015.  

Benchmarking Brasil é um selo de sustentabilidade que conta com o reconhecimento da ABNT para sua metodologia de seleção e certificação de boas práticas socioambientais que integram o Ranking Benchmarking dos detentores das melhores práticas.  

Considerado a fotografia da gestão socioambiental brasileira, Benchmarking Brasil já selecionou, certificou e compartilhou 311 práticas socioambientais e construiu o maior acervo de boas práticas de sustentabilidade do país. Publicou 2 volumes da série BenchMais, as melhores práticas da gestão socioambiental brasileira, e,  este ano lança seu terceiro volume com participações de nomes consagrados da sustentabilidade. Mais de 170 especialistas de 23 países, e mais de 170 organizações dos 3 setores da economia já participaram da iniciativa que a cada ano recebe a adesão de novas empresas e especialistas. O Programa Benchmarking Brasil também conta com apoio de entidades nacionais e internacionais reconhecidas e de expressão.   

Bons Exemplos educam, e boas práticas, transformam 

  Sabemos que sustentabilidade sem práticas não existe. Fica no campo da retórica apenas. Em sustentabilidade, tão importante quanto informar  os indicadores socioambientais, é mostrar e compartilhar a forma como se chegou a eles. E é esta coerência e transparência que torna legítimo o discurso da sustentabilidade.  Por isto a legitimidade de quem é Benchmarking, diz Marilena Lavorato, idealizadora do programa. 

  Sobre o programa Benchmarking Brasil: 

louroverde2015_p Em 12 edições já realizadas, o Programa Benchmarking Brasil se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com uma metodologia estruturada, reconhecida pela ABNT,  e participação de especialistas de vários países, o Ranking Benchmarking define e reconhece os detentores das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil. O programa, além do Ranking congrega outras ações de fomento a sustentabilidade como publicações, banco digital de livre acesso, encontros técnicos, feiras e congressos, entre outros. Além de incentivar a busca da melhoria contínua e a adoção das boas práticas nas organizações, o Programa Benchmarking Brasil contribuiu ao longo destes 12 anos de forma efetiva com a construção de massa crítica em sustentabilidade no país. Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1º colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara de Comércio Brasil Alemanha. Empresas e gestores com boas práticas socioambientais podem inscrever seus cases até 17 de abril. Inscrições, clique AQUI 

São Paulo, 13 de abril de 2015 
Assessoria de Imprensa 
benchmarkingbrasil.com.br 
(11) 3257-9660/  3729-9005

quinta-feira, 9 de abril de 2015

A legitimidade de quem adota e compartilha boas práticas

logo_lampada_site_343x343Para ser Legítimo tem que ser Benchmarking. 

E para ser Benchmarking tem que ter excelência, coerência e transparência em boas práticas socioambientais

Apenas organizações que são realmente comprometidas compartilham suas práticas e abrem seus modus operandis a públicos especializados e formadores de opinião. 

Neste vestibular da sustentabilidade aplicada só passam organizações que comprovam a adoção das melhores práticas em seus negócios e empreendimentos. A metodologia Benchmarking de certificação de cases socioambientais tem o reconhecimento da ABNT, e a comissão técnica é composta por especialistas de vários países. 

Nestes 13 anos de existência, o Programa Benchmarking Brasil já certificou e compartilhou 311 práticas de sustentabilidade, reconhecidas como cases Benchmarking. Tornar-se “Benchmarking” que na linguagem corporativa significa ser uma referência e um exemplo a ser seguido, não é fácil, nem simples, nem para todos. Ao observar o Banco de Práticas do Programa Benchmarking, nota se claramente a regularidade e continuidade das organizações em sustentabilidade aplicada, destacando se aquelas que anualmente tiveram folego e competência para emplacar um ou mais cases no Ranking Benchmarking dos detentores das melhores práticas socioambientais do Brasil. O Programa Benchmarking Brasil atua no específico, no detalhe,  na excelência do“modus operandi” de cada prática. 

"Tão (ou até mais) importante que os resultados alcançados é a forma como se chegou a eles. É esta contribuição o Benchmarking dá a sociedade", informa Marilena Lavorato idealizadora do Programa Benchmarking Brasil.

sustentabilidade-corporativa-1024x9671
Os cases são avaliados por especialistas de vários países que pontuam quesitos da pratica sem ter acesso ao nome da organização. Os cases que obtém índice técnico (pontuação igual ou superior a 7.1) são considerados “Benchmarking” pela excelência técnica e metodológica com que foram desenvolvidos e implementados pelos seus gestores e pela instituição. 

 Em 12 edições já realizadas, 160 especialistas de 21 diferentes países trabalharam voluntariamente para a seleção dos melhores cases de sustentabilidade que integram o Ranking Benchmarking de cada edição e que depois de aprovados, passam a fazer parte do maior Banco Digital de Práticas de Sustentabilidade com livre acesso na internet do país.  Os cases Benchmarking, além do Banco Digital, são compartilhados com públicos especializados e formadores de opinião em encontros técnicos, revistas especializadas e livros de gestão. A série BenchMais já lançou 2 volumes, BenchMais 1 e BenchMais 2. Em 2015 será lançado BenchMais3 com participações especiais de personalidades consagradas da sustentabilidade, além dos resumos dos cases Benchmarking certificados nas edições anteriores.

Sobre o programa Benchmarking Brasil:   

louroverde2015_p Em 12 edições já realizadas, o Programa Benchmarking Brasil se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com uma metodologia estruturada, reconhecida pela ABNT,  e participação de especialistas de vários países, o Ranking Benchmarking define e reconhece os detentores das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil. O programa, além do Ranking congrega outras ações de fomento a sustentabilidade como publicações, banco digital de livre acesso, encontros técnicos, feiras e congressos, entre outros. Além de incentivar a busca da melhoria contínua e a adoção das boas práticas nas organizações, o Programa Benchmarking Brasil contribuiu ao longo destes 12 anos de forma efetiva com a construção de massa crítica em sustentabilidade no país. Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1º colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara de Comércio Brasil Alemanha. Empresas e gestores com boas práticas socioambientais podem inscrever seus cases até 17 de abril. Inscrições, clique AQUI 

São Paulo, 10 de abril de 2015 
Assessoria de Imprensa 
benchmarkingbrasil.com.br 
(11) 3257-9660/  37299005

quarta-feira, 8 de abril de 2015

BenchMais3 terá participações especiais

Livro_Bench3_pBenchMais3 será lançado em julho na solenidade Benchmarking  que certifica os detentores das melhores práticas 

A cada 4 anos, especialistas e lideranças da sustentabilidade compartilham suas visões, reflexões e soluções para os desafios socioambientais da nossa época.  

Esperado com ansiedade pelo mercado o lançamento do  3o volume da série BenchMais - As melhores práticas da gestão socioambiental brasileira acontecerá em 02 de Julho a partir das 19h na abertura da solenidade do Programa Benchmarking Brasil, no auditório do Tribunal Regional Federal da 3a Região, Av. Paulista - 1842 - 25o andar, São Paulo, capital. 

BenchMais 3 reúne nomes consagrados da sustentabilidade que assinam artigos inéditos sobre o tema. Além dos articulistas nacionais, BenchMais3 conta com uma participação internacional da estrategista em sustentabilidade e autora de obras premiadas, Jacquelyn Ottmann. 

BenchMais3 terá um capítulo especial com as práticas Benchmarking certificadas nas ultimas 4 edições. "BenchMais 3 é uma obra de gestão que reúne o melhor do capital intelectual da sustentabilidade do nosso país. Cientistas, ativistas, lideranças e especialistas compartilham seus conhecimentos e práticas para elevar o nível do debate e acelerar o avanço técnico gerencial de quem atua na área", diz Marilena Lavorato - idealizadora do programa Benchmarking Brasil e organizadora da série BenchMais. 

Os Legítimos da Sustentabilidade estão em BenchMais3 

Porque Legítimos da Sustentabilidade? Porque são personalidades e pessoas com grande contribuição intelectual e prática para que a sustentabilidade se torne realidade em nossas vidas, continua Marilena Lavorato.  Entendemos por legitimidade, coerência e prática.  E, é exatamente isto que se encontra nesta obra.  O conhecimento e a experiências destas personalidades e especialistas sobre as boas práticas de sustentabilidade. É uma obra essencial para quem atua ou se interessa por esta temática, finaliza Marilena Lavorato

Participações especiais:

BenchMais3 terá capítulo dedicado ao pensamento e visão de nomes consagrados da sustentabilidade.  Será uma coletânea de 17 artigos inéditos assinados por 22 articulistas. São eles (em ordem alfabética):
  1. Adalberto Marcondes (Jornalista e editor do Portal Envolverde)
  2. André Medici (economista senior de saúde do Banco Mundial em Washington)
  3. Consuelo Yoshida (Desembargadora Federal do TRF3- Tribunal Regional Federal da 3ª Região); José Valverde (Secretário de Meio Ambiente da cidade de Ferraz de Vasconcelos); Diego Conti (Membro do Núcleo de Estudos do Futuro da PUC SP)
  4. Dener Giovanini (Ambientalista, jornalista e documentarista cinematográfico. Atual colunista de meio ambiente do Estadão Online)
  5. Fabricio Dorado Soler (Professor e Autor do livro Gestão de resíduos sólidos);
  6. Gilberto Natalini (Vereador de São Paulo e idealizador da Conferência P+L e Mudanças Climáticas na cidade de São Paulo)
  7. Guy Ladvocat – (Especialista em Certificação da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas); Isabel Sbragia (Especialista em sustentabilidade da ABNT)
  8. Jacquelyn Ottman – (Especialista em Negócios e Sustentabilidade, e Idealizadora da Comunidade Global WeHatetoWaste.com)
  9. Jamile Balaguer – (Especialista em estratégia e sustentabilidade pela HEC School of Management - Paris/França e membro do conselho deliberativo da ABRAPS)
  10. José Goldemberg (Professor, físico e político brasileiro. Presidente do Conselho de Sustentabilidade da Fecomercio); Cristiane Lima Cortez (Dra em Ciências pelo Programa de Pós Graduação em Energia da USP)
  11. José Roberto Kassai (Professor da FEA / USP e Coordenador do núcleo de estudos em contabilidade e meio ambiente USP); Nelson Carvalho (Professor da FEA/USP)
  12. Juarez Freitas (É Professor de Direito da PUC RS, Presidente do Instituto Brasileiro de Altos Estudos de Direito Público e do Conselho Editorial da Revista Interesse Público)
  13. Marina Grossi (Economista e Presidente do CEBDS – Compromisso Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável);
  14. Mario Mantovani (Diretor da SOS Mata Atlântica)
  15. Nelson Pereira dos Reis (Vice-Presidente da  Abiquim e Vice-Presidente da Fiesp)
  16. Saadia Borba Martins  (Coordenadora de Relações Institucionais da Unifoz)
  17. Vilmar Berna – (Jornalista e Fundador da Rebia – Rede Brasileira de Informação Ambiental e Editor da Revista Meio Ambiente)
Cases Benchmarking:

BenchMais 3 terá capítulo especial dedicado as Práticas Benchmarking com a publicação dos resumos dos cases que foram selecionados pela respeitada comissão técnica do Programa Benchmarking que é formada por especialistas de vários países.  Serão 113 cases que foram certificados nas ultimas 4 edições do Programa.  A seleção é rigorosa e feita em conformidade com a metodologia Benchmarking que tem o reconhecimento da ABNT (Associação Brasileira das Normas Técnicas). Os cases selecionados são classificados por suas pontuações no Ranking Benchmarking das melhores práticas do país.  

Os cases Benchmarking serão organizados em 10 categorias gerenciais  e 4 edições. Nas categorias gerenciais temos:  Resíduos; Energia, Emissões; Recursos Hídricos e Efluentes; Educação, Informação e Comunicação Socioambiental; Ferramentas e Políticas de Gestão; Manejo e Reflorestamento; Pesquisas Científicas e Desenvolvimento de Novos Produtos; Proteção e Conservação; e Arranjos Produtivos.

CAPAS_1_2_VSobre a Série BenchMais: 
A série BenchMais publicou os volumes 1 e 2 em 2007 e 2011. BenchMais 3 será lançado este ano com grandes participações. A obra terá 4 capítulos básicos: 
1) Benchmarking Brasil, a fotografia da gestão socioambiental - com artigos de nomes consagrados do cenário nacional e com 1 participação internacional. 
2) Cases Benchmarking - com 113 resumos das práticas selecionadas nas edições do período 2011 a 2014 ; e 198 fichas técnicas das práticas selecionadas nas edições do período 2003 a 2010. Os cases estarão organizados por categorias gerenciais (10) e por edições (12). 
3) Benchmarking Trajetória e Realizações. 
4) Legado Benchmarking. 

BenchMais - As Melhores práticas da gestão socioambiental brasileira é uma obra de gestão e consulta para quem trabalha ou se interessa por boas práticas de sustentabilidade.  A exemplo das edições anteriores, parte da tiragem será distribuída gratuitamente para bibliotecas de escolas profissionalizantes e universidades parceiras do Programa Benchmarking Brasil, Empresas, Jurados e apoiadores do Programa,  Instituições representativas e mídia especializada.  BenchMais 1 teve o prefácio de Dr. Paulo Nogueira Neto, o primeiro secretário (com status de ministro) de meio ambiente do Brasil. BenchMais2 teve o prefácio de Izabella Teixeira, atual ministra do meio ambiente do país. 

 São Paulo, 08 de Abril de 2015 
Assessoria de Imprensa 
(11) 3257-9660/ 3729-9005

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Benchmarking Brasil é citado em artigos acadêmicos

Logo_fotografia_sloganAcervo de práticas Benchmarking é uma valiosa fonte de consulta e pesquisa  

 O programa Benchmarking desde seu inicio teve um cuidado especial com seu acervo de práticas certificadas.  Sempre priorizou o aprendizado e a gestão do conhecimento. 

Por isto, motivou gestores e especialistas a organizarem e descreverem seus modus operandi em determinada prática da sustentabilidade. 

Todo o conhecimento aplicado desenvolvido pelo capital intelectual da organização em práticas de sustentabilidade que obteve índice técnico na avaliação dos jurados Benchmarking  é organizado e compartilhado em bancos digitais, publicações e encontros e seminários técnicos. 

 O programa Benchmarking desde seu inicio, organiza e disponibiliza os resumos dos cases Benchmarking nos formatos: digital e impresso.  O acervo Benchmarking é disponibilizado no Banco digital e nos Black Books com livre acesso e free download na internet. Também disponibilizadono formato impresso da série BenchMais com 3 volumes publicados. Os cases Benchmarking estão organizados por edição e por temáticas gerenciais para fácil localização nas pesquisas e consultas dos especialistas e profissionais atuantes na área socioambiental. 

Nas 12 edições já realizadas, o programa já certificou e compartilhou 311 práticas Benchmarking que estão catalogadas em 10 diferentes temáticas gerenciais: Resíduos; Energia, Emissões; Recursos Hídricos e Efluentes; Educação, Informação e Comunicação Socioambiental; Ferramentas e Políticas de Gestão; Manejo e Reflorestamento; Pesquisas Científicas e Desenvolvimento de Novos Produtos; Proteção e Conservação; e Arranjos Produtivos.

revista_financas_USPJá em 2006 com apenas 4 edições realizadas, o Programa Benchmarking foi citado em artigo acadêmico publicado na Revista Accounting & Finance Review da USP, v. 20, n. 49, p. 25-43, janeiro/abril 2009.

O artigo "Sistema contábil para gestão da ecoeficiência empresarial" dos autores Cássio Luiz Vellani (Professor Mestre dos Departamentos de Ciências Contábeis e Administração da Faculdade Interativa COC da Universidade de Ribeirão Preto) e Maísa de Souza Ribeiro (Professora Doutora do Departamento de Contabilidade da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da USP) citaram o Programa Benchmarking Brasil (na época conhecido como Benchmarking Ambiental Brasileiro) como uma de suas fontes de consulta e pesquisa para produção do artigo acadêmico.   Para ver o artigo completo, clique AQUI
 "O programa Benchmarking Brasil é a fotografia da gestão socioambiental brasileira porque registra com precisão o nível de amadurecimento e evolução das práticas de sustentabilidade que estão sendo implementadas nas organizações. A cada edição, um novo cenário é desenhado com a entrada de novas empresas e de novos cases. Por isto, um excelente canal de comunicação para a organização compartilhar não apenas seus indicadores, mas principalmente como se chegou a eles. E isto de forma certificada por especialistas de vários países ", informa Marilena Lavorato - idealizadora do Programa Benchmarking   "As práticas inovadoras e sustentáveis buscam inserir novidades que atendam as dimensões da sustentabilidade em bases sistêmicas e que representem resultados positivos para a organização, meio ambiente e sociedade em geral. O Programa Benchmarking Brasil representa uma importante contribuição na disseminação de inovações no campo da sustentabilidade", acrescenta Claudia Terezinha Knies,  coordenadora do Programa de Mestrado Profissional em Administração – Gestão Ambiental e Sustentabilidade da UNINOVE e integrante da comissão técnica 2015.Sobre o programa Benchmarking Brasil:   louroverde2015_p Em 12 edições já realizadas, o Programa Benchmarking Brasil se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com uma metodologia estruturada, reconhecida pela ABNT,  e participação de especialistas de vários países, o Ranking Benchmarking define e reconhece os detentores das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil.

O programa, além do Ranking congrega outras ações de fomento a sustentabilidade como publicações, banco digital de livre acesso, encontros técnicos, feiras e congressos, entre outros. Além de incentivar a busca da melhoria contínua e a adoção das boas práticas nas organizações, o Programa Benchmarking Brasil contribuiu ao longo destes 12 anos de forma efetiva com a construção de massa crítica em sustentabilidade no país.

Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1º colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara de Comércio Brasil Alemanha. Empresas e gestores com boas práticas socioambientais podem inscrever seus cases até 17 de abril. Inscrições, clique AQUI 

São Paulo, 07 de abril de 2015
Assessoria de Imprensa
(11) 3257-9660/  37299005

Fonte: Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 20, n. 49, p. 25-43, janeiro/abril 2009
 

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Benchmarking e o movimento pelas boas práticas

Benchmarking Brasil é muito mais que um selo de sustentabilidade respeitado e reconhecido. É um movimento pela adoção das boas práticas que recebe a adesão de instituições que realmente são comprometidas com os princípios e diretrizes da sustentabilidade. 

"O Programa Benchmarking Brasil surgiu ha 13 anos atrás para difundir e incentivar a adoção das boas práticas nas instituições brasileiras. Motivo que por sí só já diz tudo sobre seu grau de importância", afirma Marilena Lavorato, idealizadora do Programa. 

 Benchmarking Brasil lidera o movimento pelas boas práticas nas instituições há mais de uma década. Com a ajuda de especialistas de vários países, desenvolveu uma metodologia sob medida para empresas e gestores com boas práticas socioambientais. 

Esta metodologia conta com o reconhecimento da ABNT para certificar práticas de sustentabilidade: ambiental, social ou socioambiental.  Até o momento, mais de 170 organizações dos 3 setores da economia já passaram pelo crivo da comissão técnica Benchmarking e tiveram suas práticas certificadas. 

Canal de Comunicação para públicos especializados e formadores de opinião 

O programa detém o maior banco de boas práticas com livre acesso do país, transformando se num potente ferramenta de comunicação para que as organizações prestem contas sobre suas boas práticas socioambientais. São 311 práticas certificadas que estão catalogadas em 10 diferentes temáticas gerenciais: Resíduos; Energia, Emissões; Recursos Hídricos e Efluentes; Educação, Informação e Comunicação Socioambiental; Ferramentas e Políticas de Gestão; Manejo e Reflorestamento; Pesquisas Científicas e Desenvolvimento de Novos Produtos; Proteção e Conservação; e Arranjos Produtivos. 

Estas práticas são publicadas em bancos digitais com livre acesso, livros de gestão, revistas especializadas e portais de sustentabilidade. Também são apresentadas presencialmente em seminários e encontros técnicos para públicos especializados e formadores de opinião. 

Modalidades Paralelas: 
img4fcdfe9a00bf9            img51d1e98ccfe3e              Logo Bench Pessoas1_p     


                         logo_inicial_P

O Programa Benchmarking cresceu e se fortaleceu ao longo deste período  com a adesão de especialistas de vários países (até o momento 176 especialistas de 23 diferentes países localizados nos 5 continentes do globo) e a participação de grandes organizações e instituições representativas. 

Benchmarking Brasil foi além para falar com novos públicos e engrossar o movimento pela adoção das boas práticas. Desde 2012, quando completou 10 anos de existência, o programa iniciou sua caminhada para preparar jovens, artistas plásticos e reconhecer pessoas que tenham iniciativas que transformam realidades.  

Fez parcerias com escolas técnicas profissionalizantes e universidades e desenvolveu metodologias para o público jovem em modalidades paralelas. Criou o Benchmarking Junior que seleciona projetos de inovações verdes, o Hackathon Mais que seleciona e disponibiliza para uso público aplicativos que ajudam no controle de recursos hídricos, entre outros. 

Bench das Artes que reconhece o trabalho de artistas plásticos e artesãos que utilizam práticas de sustentabilidade em suas obras. Já são mais de 30 projetos de inovações verdes reconhecidos e compartilhados e mais de de 15 obras de arte selecionadas que estão a disposição do público no Museu do Parque Ecológico Tietê.  Este ano teremos 5 aplicativos de controle hídrico disponibilizados para free download. Outra modalidade é o Bench Pessoas que presta homenagem a personalidades que atuam em defesa das causas socioambientais.

"Esta é a contribuição do Programa Benchmarking Brasil. Reunir, compartilhar e incentivar a adoção das melhores práticas de sustentabilidade. Para construirmos sociedades sustentáveis, precisamos de exemplos que educam e práticas que transformam", afirma Marilena Lavorato 

louroverde2015_pSobre o programa Benchmarking Brasil:   

 Em 12 edições já realizadas, o Programa Benchmarking Brasil se consolidou como um dos mais respeitados Selos de Sustentabilidade do país. Com uma metodologia estruturada, reconhecida pela ABNT,  e participação de especialistas de vários países, o Ranking Benchmarking define e reconhece os detentores das melhores práticas de sustentabilidade do Brasil. O programa, além do Ranking congrega outras ações de fomento a sustentabilidade como publicações, banco digital de livre acesso, encontros técnicos, feiras e congressos, entre outros. Além de incentivar a busca da melhoria contínua e a adoção das boas práticas nas organizações, o Programa Benchmarking Brasil contribuiu ao longo destes 12 anos de forma efetiva com a construção de massa crítica em sustentabilidade no país. Em 2013, Benchmarking Brasil foi o grande vencedor (1º colocado) na categoria Humanidades do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara de Comércio Brasil Alemanha. Empresas e gestores com boas práticas socioambientais podem inscrever seus cases até 17 de abril. Inscrições, clique AQUI 

 São Paulo, 02 de abril de 2015 
 Assessoria de Imprensa (11) 3257-9660/  37299005

terça-feira, 31 de março de 2015

Exposições brilhantes e casa cheia foram a marca do 3o encontro técnico I+ do ano

Cientistas e especialistas de grandes empresas se reúnem para falar sobre gestão de recursos hídricos e gestão das águas

*Por Fernando Novais

A crise que atinge os reservatórios de abastecimento de água e a exploração de recursos naturais, provocando alterações expressivas no meio ambiente, fez com que empresas e sociedade civil passassem a dividir responsabilidades, adotando práticas conscientes e sustentáveis.

Com o intuito de promover um debate sobre a gestão de recursos hídricos, apresentando as melhores práticas ambientais promovidas pelas empresas e reunindo pesquisadores para analisar o panorama atual e indicar prospectivas para o futuro, o Instituto Mais, em parceria com a Mais Projetos, promoveu o terceiro encontro técnico, realizado na última quinta-feira, 26 de março.

O evento realizado na Universidade Anhembi Morumbi, no Campus Paulista, contou com as participações da gerente de Relações Socioambientais da Ambev, Simone Veltri; da gerente de Estudos e Manejo da Ictiofauna e Programas Especiais da CEMIG, Raquel Coelho Loures Fontes; do professor da Escola Politécnica da USP, Arisvaldo Vieira Mello Junior; e do professor de Ciências Atmosféricas da USP, Augusto José Pereira Filho.

Tida como a maior fabricante de cerveja do mundo, a Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) foi uma das empresas a adotar medidas importantes para diminuir o consumo de água dentro de sua cadeia produtiva, passando de mais de cinco hectolitros de água para produção de um hectolitro de bebida para 3,34 hectolitros para cada hectolitro produzido. A meta da companhia é chegar a 3,2 hectolitros em 2017.

Em parceria com o WWF-Brasil, a Ambev desenvolveu o “Projeto Bacias”, certificado pelo Programa Benchmarking Brasil em 2014, que atuou em quatro frentes: diagnóstico socioambiental e plano de recuperação da bacia; plano participativo de áreas degradadas; fomento da gestão da água no Distrito Federal e construção de aprendizagem e disseminação das lições aprendidas. A gerente de Relações Socioambientais da empresa, Simone Veltri, ressaltou que a segunda parte do programa está a caminho:

“O Projeto Bacias Gama foi a nossa primeira edição, estamos indo para a segunda edição do programa. Além do Gama, nós lançamos oficialmente o Programa Bacias Jaguariúna, que trabalha nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), onde estamos desenvolvendo um modelo de pagamento por serviços ambientais aos produtores rurais para que utilizem práticas de conservação para produção de água.”

A mesma filosofia que prega a preservação do ecossistema também é praticada e difundida pela Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), que, representado pela gerente de Estudos e Manejo da Ictiofauna e Programas Especiais, Raquel Coelho Loures Fontes, apresentou o case “Programa Peixe Vivo”, certificado pelo Programa Benchmarking Brasil em 2014.

Iniciando suas atividades em 2007,o projeto tem como foco a conservação da ictiofauna nas bacias hidrográficas, fazendo com que os produtos do setor primário, que sustentam a economia de pequenas comunidades no entorno das usinais, não sejam afetados. Segundo Raquel Coelho, após a implementação do programa, houve uma redução de 77% de biomassa afetada, ou seja, de peixes mortos devido às operações da empresa. A empresa também trabalha na formação de cidadãos conscientes e que desenvolvam boas práticas de responsabilidade socioambiental, como contou Raquel Coelho:
“Temos um projeto voltado estritamente para a parte de educação ambiental. Ele não é só palestras e cartilhas. Nós desenvolvemos um trabalho intensivo nas escolas, com professores acompanhando a mesma turma a cada 15 dias. São assuntos e temáticas ambientais que foram acompanhados ao longo dos anos.”

Como parte do projeto, a CEMIG soltou quase 1,5 milhão de alevinos em bacias hidrográficas mineiras, com a finalidade de recompor os estoques de peixes de interesse ecológico, de forma a suplementar as populações já existentes na região e manter as espécies em ambientes aquáticos impactados por causas naturais ou pela ação humana.


Mas quais foram os motivos que levaram à situação emergente na qual estamos passando hoje? Para o professor da Escola Politécnica da USP, Arisvaldo Vieira Mello Junior, a concentração das demandas, a exploração de aquíferos e de mananciais superficiais, as incertezas entre oferta e demanda e a poluição excessiva dos mananciais hídricos são alguns dos motivos que estão relacionados com o cenário catastrófico que vivenciamos atualmente:
“Quais serão as consequências disso tudo? Aumento dos conflitos pelo uso da água, níveis de garantias insatisfatórios, o que causaria problemas sociais e econômicos terríveis, e alterações do regime hidrológico que depende do uso e ocupação de solo. Esse é um dos objetivos de você ter que preservar nascentes e bacias hidrográficas.”

As soluções apontadas pelo professor foram: aperfeiçoamento do processo de gestão, planejamento efetivo, sustentabilidade no uso de recursos naturais e investimento em infraestrutura, visando o bem-estar e a equidade social, a redução de riscos ambientais e a produção sustentável.


O professor da USP, Augusto José Pereira Filho, apontou a umidade no Oceano Atlântico como fator primordial pela falta de chuva, e não o desmatamento na região amazônica, como diversos especialistas apontam:
“A origem da água está no Oceano Atlântico, e não na Amazônia. A água sai do Atlântico, vem para a Amazônia, precipita, recircula e vem para o Sul. E daqui, ela vai para a Antártica. Essa é a situação média do ano.”
Augusto salientou ainda que o recorde de temperatura registrado na cidade de São Paulo no ano passado não está relacionado com o aumento de CO2 na atmosfera, mas sim com uma Alta Subtropical vinda do Atlântico, que pairou na região Nordeste e se estendeu para outras regiões do Brasil:
“Quando você tem um bichão desse tamanho que cruza a África, chega até o Brasil e senta em cima da gente, não chove. Sinto muito, não chove. O fato é que nós dependemos completamente do sistema. O que eu tenho que fazer? Aprender a lidar com essa variabilidade climática e controlar o consumo. Essa questão de sustentabilidade significa entender quando a gente vai entrar numa situação dessas e economizar água. O problema foi que, quando entramos, nós não economizamos água.”

E no final do evento, chegamos a um consenso claro e simples: sabendo usar os recursos hídricos com responsabilidade e de forma sustentável, não faltará água hoje e não estaremos comprometendo as futuras gerações de nosso planeta.

AGENDA

O Programa Benchmarking Brasil está com as inscrições abertas para empresas e gestores que promovem as melhores práticas socioambientais para concorrer ao XIII Ranking Benchmarking dos Legítimos da Sustentabilidade. As inscrições poderão ser feitas online até o dia 17 de abril através do site:  http://benchmarkingbrasil.com.br/

Os cases selecionados serão certificados como “Cases Benchmarking”, e farão parte do maior Banco Digital de Boas Práticas Socioambientais com livre acesso do país, além de fazerem parte da grade de encontros técnicos a partir de 2016. No dia 2 de julho, será conhecido o ranking das melhores práticas socioambientais do país, e também será lançado oficialmente o livro BenchMais3.

Instituto Mais dará uma pausa com os encontros técnicos, que retornarão no dia 24 de setembro (24/09) com o tema “Ferramentas e Políticas de Gestão Socioambiental nas Empresas”, contando com as participações do professor da FGV/EAESP, Dagoberto Lorenzetti; do professor da FEA/USP, José Roberto Kassai; do superintendente de Meio Ambiente da Itaipu Binacional, que apresentará o case “IB – Programa Coleta Solidária”, certificado pelo Programa Benchmarking Brasil 2014, Jair Kotz; e da gestora da filial do The Forest Trust (TFT) no Brasil, que apresentará o case “Transformando Histórias”, também certificado pelo Programa Benchmarking Brasil 2014, Tatiana Pagotto Yoshida.

Os encontros técnicos recebem o apoio do curso de Relações Públicas da Escola de Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, que gentilmente cede o espaço para a realização do evento. Também conta com a participação dos voluntários I+. 

Caso queira prestigiar os nossos eventos, a entrada é gratuita, contudo, é preciso fazer a inscrição através de nossa página: http://www.institutomais.com.br/forms/cadastro_eventos.php

Conheça a programação completa com os palestrantes confirmados no site do Instituto Maishttp://www.institutomais.com.br/sem-categoria/fibops-tecnica-2015/

(*) Fernando Novais é jornalista e voluntário do Instituto MAIS

terça-feira, 24 de março de 2015

Benchmarking Brasil receberá cases de sustentabilidade até 17 de abril

Empresas e gestores com boas práticas socioambientais poderão inscrever seus cases de sustentabilidade até 17 de abril